sppSPP, ou a popularmente conhecida Síndrome do Pau Pequeno, muitas vezes é a maior causadora de frustrações em todos os cantos da sociedade, esta síndrome vem ganhando popularidade de uns anos pra cá.

Certa vez, um chefe de equipe pediu para o seu funcionário ir a concessionária que presta o serviço de Iluminação pública e privada para verificar quanto ele tinha de débitos por lá. O funcionário foi, voltou com várias faturas nas mãos para que fossem pagas em até 10 dias. O Chefe ficou irritado com isso, pois as contas “não estavam pagas”. Esta simples história -sem pé nem cabeça- ilustra um cotidiano de quem sofre de SPP. Acabou que este chefe ficou perseguindo o funcionário até o dia em que o funcionário saiu da empresa. E curiosamente em um reencontro ao acaso -acaso mesmo, pq essa cara é um bom de um fdp-, o ex-chefe o tratou como se ele fosse um amigo de longa data.

A alcunha de SPP serve para aquelas pessoas que são: pessoas que nunca estão satisfeitas com nada, pessoas que se acham melhores que as outras, para aquelas pessoas que vivem te intimidando, que acham que você vale menos que ela, que acha que possui um rei na barriga, que vive se gabando que é o melhor, que vive se auto-afirmando como legal, bonita ou importante, que fala da vida alheia sem você perguntar, que se acha mais esperta que todo mundo, que acha que consegue vencer o Goku.

SPP tem cura?
Digo que sim, mas não é fácil. Um dos caminhos que levam o indivíduo a cura é uma enorme porrada da vida nele, como a perda de alguém muito importante ou alguma tragédia que o faça pensar mais na vida. Uma outra forma de cura é usar do cinismo contra essas pessoas, fazendo com que ache que você se importa com tudo que se passa na utopia vivencional dela, mas na verdade, você esta cagando. Outra forma de tratamento é o desprezo -minha técnica favorita- pois na verdade o SPP é uma característica muito comum em gente Carente, que faz de tudo para chamar a atenção.

Mas, se é o meu chefe que sofre de SPP, como vou decolar na minha carreira?
Pois é, como Senhor Jesus falou certa vez “no mundo terei aflição”, o mundo dos negócios é cheio de gente com SPP. E contra essas pessoas -infelizmente- não podemos aplicar algumas das nossas regras de sobrevivência -embora sempre deseje que um mal súbito mude a vida dele :D -. Para este caso, a principal dica que dou é: não se deixe levar para o lado pessoal. Quanto menos este chefe souber da sua vida é melhor -o que não que dizer que ele seja segregado por você- mas procure fazer o que você é pago para fazer, que é o seu trabalho. Você não é pago para fazer amigos, você é pago para trabalhar, produzir, e amigos são feitos pela consequência do seu bom caráter.

Mas, eu acho que eu sofro de SPP, e não quero levar porrada da vida ou ser segregado, como eu procuro uma cura?
Reconhecer que precisa de ajuda é o primeiro passo para a cura.
O segundo é buscar feedback dos seus comportamentos com pessoas que gostam de você e que sejam mais próximas, ao ponto de falar umas verdades amargas para a gente.  Com essas informações nas mãos, tire um tempo para você e procure “se conhecer mais”, assim vai adaptando para a sua vida as mudanças e aos poucos deixando de ser pedante. Esse negócio de que “eu nasci assim, vou morrer assim” é caô -esta eu chamo de síndrome de Gabriela- e uma pessoa determinada pode sim mudar comportamentos e atitudes, e a escolha de como isso pode acontecer na sua vida é somente sua, ou é no amor (com feedbacks dos amigos) ou na dor (com uma boa e bela porrada da vida).

Boa sorte :D

Posted in: teorias.
Last Modified: January 30, 2014